Uma família na fé em Cristo Jesus

A CORRIDA DA FÉ – A METÁFORA DA VIDA CRISTÃ

Por Pr. Judiclay S Santos

O apóstolo Paulo buscou referendar seus argumentos em sua exortação aos coríntios, utilizando uma figura de linguagem bem conhecida no mundo greco-romano. Os Jogos Oímpicos eram realizados desde o ano 776 a.C. e na cidade de Corinto eram realizados, a cada dois anos, os Jogos do Istmo. Paulo era um homem brilhante e sabia fazer pontes com a cultura. É a partir desses referenciais culturais que ele fala da vida cristã como uma corrida da fé. Vejamos algumas preciosas lições.

1. A CORRIDA DA FÉ EXIGE DISCIPLINA.
Os coríntios sabiam como funcionavam os jogos, em particular as corridas. Havia muitos competidores, mas apenas um vencia. A vitória era o prêmio do atleta disciplinado, que tinha treinado com bastante determinação.

O atleta vitorioso, antes de subir ao pódio, teve que se submeter a uma intensa rotina de exercícios físicos e a um rigoroso controle nutricional. Disciplina é abdicar de coisas boas por causa de coisas melhores. “Atletas não vencem quando os estádios estão cheios e os refletores acesos. Atletas vencem, ao longo dos anos, quando optam por treinar, sem uma só pessoa para aplaudir ou uma só câmera para fotografar” (R. Agreste). De igual modo, nós precisamos de disciplina na vida cristã. Disciplina é liberdade, razão pela qual devemos assumir o compromisso de buscar viver uma vida disciplinada.

2. A CORRIDA DA FÉ EXIGE CONCENTRAÇÃO.
Paulo corre a corrida da fé com objetivo, foco e concentração. Paulo é um exemplo de determinação e superação. O foco da vida de Paulo era completer a carreira da fé. Nada deveria distrai-lo. Paulo passou por muitas dificuldades, mas nada o tirou do foco. Ele estava concentrado no propósito de completar a carreira e o ministério que ele recebeu do Senhor (At 20.24).

Correr sem meta é perder tempo e desperdiçar a vida. A vida deve ser vivida com profundo senso de responsabilidade. Paulo tinha uma filosofia de vida que podemos imitar. “Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fp 3.13-14). O atleta deve esquecer-se de algumas coisas para que ele possa avançar e prosseguir para o alvo. O cristão deve tomar cuidado para não ser conduzido pela filosofia do Zeca Pagodinho. “Deixa a vida me levar, vida leva eu” é uma atitude irresponsável. A vida deve ser vivida com objetividade e propósito!

3. A CORRIDA DA FÉ EXIGE INTEGRIDADE
O atleta deve correr de acordo com os princípios estabelecidos. Hoje em dia há muitas formas de dopping, razão pela qual o controle e a supervisão são cada vez mais rigorosos. Alguns atletas famosos já foram banidos do mundo dos esportes por causa de práticas ilegais. Naquele tempo, tal como hoje, havia atletas desonestos que usavam de subterfúgios ilegais para vencer as corridas. Pensando nisso, Paulo escreveu a Timóteo:

Igualmente, o atleta não é coroado se não lutar segundo as normas” (2 Tm 2.5). Paulo sabia que a vida tem princípios e normas que devem ser respeitados sob pena de sermos desclassificados.

Na corrida da fé, o caráter faz a diferença. Há muitas pessoas que querem cruzar a linha de chegada sem participar da prova conforme as normas. Temos que nos submeter aos princípios estabelecidos por Deus. Na vida real ninguém é autônomo para fazer as suas próprias regras. Na corrida da fé não somos nós que estabelecemos as normas. Deus requer não apenas desempenho, mas também fidelidade e integridade. Em nossa jornada de fé, devemos dizer como Paulo:

Dou graças ao meu Deus, a quem sirvo com a consciência limpa…” (2 Tm 1.3).

4. A CORRIDA DA FÉ OFERECE UM PRÊMIO DE VALOR ETERNO

Paulo menciona o prêmio que os atletas recebiam e faz um contraste muito interessante. Ele diz que a disciplina do atleta era motivada pelo desejo de alcançar o prêmio, a coroa. Mesmo sendo feitas de folhas verdes e altamente perecíveis, essas grinaldas simbolizavam glória e por isso eram muito apreciadas. No final da sua corrida, Paulo declarou:

Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda (2 Tm 4.6-8).

A corrida da fé é uma metáfora da vida cristã e o prêmio dessa jornada não é deste mundo. Os atletas olímpicos são coroados com medalhas que representam uma vida inteira de dedicação ao esporte. Por mais gloriosas que elas sejam, o brilho dessas conquistas terá fim. Mas a coroa da justiça que o Senhor Jesus entregará aos servos fiéis é um prêmio de valor eterno.

A coroa incorruptível nunca esmaecerá, conforme acontecia com as coroas corruptíveis dos vencedores nesses jogos atléticos, e isso dentro de tão pouco tempo: mas essa perdurará para sempre, e continuará sempre com a mesma glória e brilho”. John Gill

Comentário

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X
X
X